quinta-feira, 29 de abril de 2010

SERÁ O FIM DO BORRACHEIRO?

Os novos pneus da Michelin:
 
Sem ar, sem válvulas, sem compressores, sem reparos, e adeus pneus furados, pois eles já vêm 'furados' de fábrica. Em anexo seguem fotos dosnovos pneus da Michelin. Este lançamento está programado para estar logo no mercado consumidor e causará um grande impacto na tecnologia existente. Nenhuma válvula de ar, nenhum compressor de ar em postos de gasolina, nenhum equipamento ou kit de conserto ou borracharia. Poderá até dispensar o estepe.

Devemos sempre estar preparados para novas tecnologias, que tornaram obsoletos vários objetos, como a régua de cálculo, o telex, a máquina de escrever, as pranchetas de desenho, as canetas a nankin, o filme fotográfico, a fita cassete, o disco de vinil, o relógio de corda, o carburador, etc.
Aí está mais uma







Merda a palavra rica




M E R D A
(Nem o Aurélio definiu tão bem)


A palavra mais rica da língua portuguesa é a palavra MERDA.

Esta versátil palavra pode mesmo ser considerada um coringa da língua portuguesa.


Vejam os exemplos a seguir:

1) Como indicação geográfica 1:
Onde fica essa MERDA?

2) Como indicação geográfica 2:
Vá a MERDA!

3) Como indicação geográfica 3:
17:00h - vou embora dessa MERDA.

4) Como substantivo qualificativo:
Você é um MERDA!

5) Como auxiliar quantitativo:
Trabalho pra caramba e não ganho MERDA nenhuma!

6) Como indicador de especialização profissional:
Ele só faz MERDA.


7) Como indicativo de MBA:
Ele faz muita MERDA.

8) Como sinônimo de covarde:
Seu MERDA!


9) Como questionamento dirigido:
Fez MERDA, né?

10) Como indicador visual:
Não se enxerga MERDA nenhuma!


11) Como elemento de indicação do caminho a ser percorrido:
Por que você não vai a MERDA?

12) Como especulação de conhecimento e surpresa:
Que MERDA é essa?

13) Como constatação da situação financeira de um indivíduo:
Ele está na MERDA...

14) Como indicador de ressentimento natalino:
Não ganhei MERDA nenhuma de presente!


15) Como indicador de admiração:
Puta MERDA!

16) Como indicador de rejeição:
Puta MERDA!

17) Como indicador de espécie:
O que esse MERDA pensa que é?


18) Como indicador de continuidade:
Tô na mesma MERDA de sempre.

19) Como indicador de desordem:
Tá tudo uma MERDA!


20) Como constatação científica dos resultados da alquimia:
Tudo o que ele toca vira MERDA!

21) Como resultado aplicativo:
Deu MERDA.


22) Como indicador de performance esportiva:
O Fluminense não está jogando MERDA nenhuma!!!

23) Como constatação negativa:
Que MERDA!


24) Como classificação literária:
Êita textinho de MERDA!!!

25) Como qualificação de governo:
O governo só faz MERDA!


26) Como situação de 'orgulho/metidez' :
Ela se acha e não tem 'MERDA NENHUMA!'

27) Como indicativo de ocupação:
Para você ter lido até aqui, é sinal que não está fazendo MERDA nenhuma!!!

domingo, 25 de abril de 2010

Labuat Pintando uma canção


Pinte uma canção. Essa é a temática do hotsite Soytuaire, que promove a banda espanhola Labuat. Ao som da canção Soy Tu Aire, é possível ir desenhando pela tela. Efeitos vão aparecendo e o pincel vai mudando, conforme a música. O site grava seu desenho e após sua criação, é possível vê-lo novamente, desde o início.

Cartaz sem preconceito na Espanha



Este cartaz saiu da Espanha e está rodando o mundo (traduzido). Muito bom para chacoalhar os países que estão discriminando estrangeiros, mas bom também para todo mundo, para uma reflexão sobre nossos preconceitos, nossas escolhas e nossas rejeições...!

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Chora Flamengo - Fogo Campeão e a crise dos Urubus



Pronto está sacramentado o chora Flamenguista, com a crise instalada, depois da vitória na final da taça Rio do Botafogo, e as demissões na mulambada do urubu o choro, foi de todos os atletas e comissão técnica. Que coisa a soberba acabou e a realidade está escancarada.

Na tarde desta sexta-feira, Marcos Braz e Andrade estiveram no Ninho do Urubu para se despedirem do elenco e dos funcionários do Flamengo, o que causou muita comoção, principalmente por parte dos jogadores.

Querido pela facilidade com que se comunicava com os atletas, Braz se uniu com Andrade e com o elenco rubro-negro, protagonizando cena carregada de muita emoção. Marcos Braz, Andrade e grande parte dos jogadores mostraram com lágrimas nos olhos a dor pela despedida.

deu na FlaGlobo.com se quiserem a gente cede o Rei do Rio para o Urubu não chorar.

Analfabeto Político - Bertolt Brecht



"O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil, que da sua ignorância política nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo."
Bertolt Brecht
(1898-1956)

Dadá Figueiredo Surf na Veia

Se quer saber um pouco mais da história do surf profissional Brasileiro e ver a força do mar na vida de um dos maiores surfistas do Brasil nos anos 80 e 90 cliquem na imagem do Dáda Fiqueiredo, pra ler matéria do Blog Viva la Brasa, e claro para quem quer aprender surf com quem sabe a escolinha do Dadá fica na Avenida do Pepê em frente ao Hotel Praia Linda. Valeu Dávio.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Scanitto Pro v2.0.7.87 Multi-Language

Scanitto Pro v2.0.7.87 Multi-Language | 2,24 Mb

Este scanner software é leve, Rápido e não sobrecarregado com toneladas de recursos desnecessários. Afine-configurações do seu scanner, fazer cópias de documento de um clique e salvar documentos multi-páginas PDF, você nunca se arrependerá de fazer! Se você tem um scanner e que você usa para uma gama limitada de efeitos (cópia, texto simples e digitalização de fotos) e está procurando uma ferramenta, que seria fatalmente fácil de usar, fácil de usar, para fazer o trabalho bem, todos os dias, você deve definitivamente verificar Scanitto Pro

Google: Aprenda como Pesquisar




Frases de Steve Jobs (Apple)



Frases:

"Você não pode simplesmente perguntar ao usuário o que ele quer e então tentar dar-lhe isso. Quando você conseguir terminar o produto, o usuário estará querendo outra coisa."

"Se criar bons produtos fosse tão fácil quanto assinar um cheque, a Microsoft teria grandes produtos."

"Ser o mais rico do cemitério não é o que mais importa para mim... Ir para a cama à noite e pensar que foi feito alguma coisa grande. Isso é o que mais importa para mim."

"Trocaria, se pudesse, toda minha tecnologia por uma tarde com Sócrates."

"É melhor ser pirata do que marinheiro."

“Design é função, não forma.”

"Não deixe o barulho da opinião dos outros abafar sua voz interior. E mais importante, tenha a coragem de seguir seu coração e sua intuição. Eles de alguma forma já sabem o que você realmente quer se tornar. Tudo o mais é secundário."

"As pessoas ligam a televisão quando querem desligar o cérebro."

"Seu trabalho vai ocupar uma grande parte da sua vida, e a única maneira de estar verdadeiramente satisfeito é fazendo aquilo que você acredita ser um ótimo trabalho. E a única maneira de fazer um ótimo trabalho é fazendo o que você ama fazer. Se você ainda não encontrou, continue procurando."

"As pessoas não sabem o que querem até você mostrar a elas."

"Algumas pessoas acham que foco significa dizer sim para a coisa em que você irá se focar. Mas não é nada disso. Significa dizer não às centenas de outras boas idéias que existem. Você precisa selecionar cuidadosamente."

"Se hoje fosse o último dia de minha vida, queria fazer o que vou fazer hoje? E se a resposta fosse Não muitos dias seguidos, sabia que precisava mudar algo."

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Ibiza Beats Vol 2 Sunset Chill & Beach Lounge





VA
Ibiza Beats Vol.2 (Sunset Chill & Beach Lounge)
Lo-Fi
VBR kbps / 144,4 MB
109:05 min
Size : 147 MB

Tracklist:
CD1 Sunset Chill
01. Jazzamor – Summertime 04:39
02. Desney Bailey – Just Won’t Do 04:22
03. DJ Angelique Bianca & Immaculate Ibiza – Fingers Crossed 05:09
04. Jaydee Feat. Tamara Maria – Girl From Ipanima 03:42
05. Desney Bailey – Chillin 03:55
06. Solid Ground – AM-PM 03:51
07. Alien Cafe – Chloe Says 03:35
08. Barrio Jazz Gang – Linda Cancao 04:03
09. Pauline London – Love Can Sing 04:27
10. Jaydee & The Blues – It Rained 5 Days 03:41
11. Jazzamor – Ain’t No Sunshine 03:56
12. Outwave Project – It’s A Fine Day 05:09

CD2 Beach Lounge
01. Outwave Project – I Need Shower 03:57
02. Jaydee Feat. Tamara Maria – My Funny Valentine 06:03
03. Brenda Boykin – Be My Lover 04:18
04. Desney Bailey – The Dance Track (There Will Be) 04:08
05. Davinci Feat. Ruud Breuls (Trampet) – Seven Miles To Ibiza 03:49
06. Danance Feat. Soniq – Joy Of Life 04:11
07. Jazzamor – Cherish (The Night, The Life, The Moon) 03:58
08. Machomovers – Smooth Operator 06:04
09. James Kameran Feat. DJ Angelique Bianca – Feel 04:38
10. Estrella Feat.Soniq – Let There Be Love 04:40
11. Robin Masters Orchestra – Longing 07:44
12. Outwave Project – Light & Shade

Rapidshare
Only at Sem Onus

Legalização das drogas numa sociedade viciada em remédios


O excelente artigo abaixo foi escrito pelo professor Henrique Carneiro, do Departamento de História da USP, para o site do Coletivo Desentorpecendo a Razão. Em seu texto, Henrique propõe não só a legalização de todas as drogas ditas ilícitas, mas a construção de uma política social que administre a distribuição de todo o tido de drogas: das recreativas às terapêuticas. Traçando um painel detalhado do assustador crescimento da indústria farmacêutica nos últimos 60 anos, e da consequente dependência da sociedade contemporânea por remédios psicoativos, Henrique defende, ao mesmo tempo, o fim do proibicionismo e da nefasta "cultura do comprimido", que explora sem escrúpulos o desejo de felicidade e o medo da dor inerentes a todo ser humano.

Não importa a sua opinião sobre drogas ou legalização. Este é um artigo que vale muito a pena ler:

Legalização e controle estatal de todas as drogas para a constituição de um fundo social para a saúde pública

Por Henrique Carneiro, professor do Departamento de História da USP *

Uma política sobre drogas deve abranger os três circuitos de circulação das drogas psicoativas existentes na sociedade contemporânea: o das substâncias ilícitas, o das lícitas de uso recreacional e o das lícitas de uso terapêutico.

A divisão estrita entre estes três campos é recente e sempre vem se alterando. O álcool já foi remédio, tornou-se droga proibida e voltou a ser substância de uso lícito controlado. Outras, como os derivados da Cannabis, que por milênios fizeram parte de inúmeras farmacopéias, foram objeto de uma proscrição oficial no século XX, a ponto de a ONU querer “erradicar” essa planta, assim como outras tais como a coca e a papoula produtora de ópio. Hoje a Cannabis, entretanto, tem uso medicinal reconhecido em muitos estados norte-americanos e em outros países.

Qual a fronteira conceitual estrita, no entanto, que separa essas drogas? LSD, DMT ou MDMA, não possuem usos terapêuticos? O que é recreacional e o que é terapêutico? Esse último campo deve estar submetido apenas a monopólios de especialistas ou deve também abranger um amplo uso de técnicas de auto-cura?

Pretendo, neste texto, defender um regime mais “equalizador” em relação aos três tipos de substâncias mencionadas e, ao mesmo tempo que antiproibicionista, mais severo em relação a interdição da publicidade e da facilidade do acesso. Como “substâncias essenciais”[1] devem ser objeto de um tipo de emprendimento que não permita a intensificação do estímulo contínuo ao consumo e, consequentemente, lucros sempre crescentes, inerentes ao interesse privado. Defendo assim, a criação de um “fundo social” constituído com o faturamento de um mercado legalizado e estatizado de produção de drogas psicoativas em geral, tanto as ilícitas como as legais.

A indústria farmacêutica no seu conjunto concentra alguns dos maiores grupos empresariais do planeta. Hiperconcentrada, hiperlucrativa e em acelerado crescimento nas últimas décadas (faturou 773 bilhões de dólares em 2008[2]). Estreitamente vinculada ao setor de produção de sementes transgênicas e agrotóxicos, a indústria farmacêutica fundiu-se com a indústria de alimentos por meio de várias compras e fusões empresariais. O ramo do tabaco também está imbricado com o setor alimentar e farmacêutico.

A última ameaça global pandêmica da gripe suína representou um crescimento ainda mais explosivo da indústria farmacêutica que já era um dos mais expansivos e poderosos.

Assim como ocorre com outros mercados, ele se reveste de uma hipertrofia excessiva nos países centrais e de uma carência enorme nos países periféricos.

A África tem apenas 1% do mercado farmacêutico, embora tenha epidemias como a da Aids que necessitariam enormemente de medicamentos. Desde o início do século XXI, a África do Sul ameaçou desafiar o regime de patentes que impedia a venda barata de produtos monopolizados por grandes laboratórios e começar a produzir genéricos num laboratório indiano. A patente do retroviral stavudine pertence a universidade de Yale (e rende 90% dos royalties dessa universidade, várias centenas de milhões de dólares), mas ela a cedeu em exclusividade para o laboratório Squibb (BMS), que após uma grande disputa ofereceu o medicamento a um preço menor para os africanos mas sem quebrar o seu monopólio.

Esse monopólio de patentes como direito de propriedade intelectual representa uma forma de exclusivismo na circulação do conhecimento e é um dos pilares da forma atual de funcionamento do comércio internacional que favorece a acumulação de capital em detrimento dos interesses sociais da maioria da humanidade.

Existem prerrogativas que garantem quebras de monopólios de patentes (cuja duração é de vinte anos), como uma epidemia ou a segurança nacional, mas mesmo no caso recente da pandemia da gripe H1N1 não se colocou em causa a quebra da patente do Tamiflu e os medicamentos continuam a ser produtos caríssimos e sua obtenção não está incluída nos planos de saúde.

Sabe-se que ao menos 1/4 de todos os remédios da indústria farmacêutica derivam de saberes fitoterápicos tradicionais que identificaram a maior parte das plantas medicinais e alimentares[3]. Os povos do mundo, entretanto, não recebem royalties e nem tampouco nunca lhes ocorreu monopolizar esse saber de forma implacável como faz a indústria farmacêutica.

Dentre o conjunto dos medicamentos (que totalizam em média cerca de 15% dos orçamentos de saúde nos países centrais), se destacam os chamados de psicoativos, que são os indicados para os estados de humor, como promoção da alegria e combate à tristeza, para os problemas mentais, como ansiedade ou falta de concentração, para o aumento do desempenho intelectual ou físico, para a tranquilização, sedação e analgesia, para a excitação sexual, etc.

Existem, assim, três circuitos de circulação de drogas psicoativas na sociedade: o das substâncias ilícitas, num mercado paralelo e clandestino, cujo volume é calculado em torno de 400 bilhões de dólares, basicamente os derivados de algumas das plantas mais tradicionais da história da humanidade: a coca, a canábis e a papoula. Cada vez mais cresce também um número de centenas de moléculas sintéticas novas que vem sendo desenvolvidas nos últimos anos em laboratórios clandestinos. O montante do faturamento e as consequências sociais em geral associadas a essas drogas, como a violência e alto índice de aprisionamento, decorrem não do efeito específico das substâncias mas, sobetudo, da sua condição de ilegalidade.

O circuito das substâncias lícitas de uso recreacional, como o tabaco, as bebidas alcoólicas e cafeínicas, é regido pela legalidade trazendo assim problemas relacionados ao uso abusivo ou excessivo e seus efeitos sociais, mas não uma violência intrínseca. É um mercado poderoso, de grandes multinacionais associadas à indústria da alimentação, mas também conhece micro-produtores domésticos ou artesanais. Todas estas substâncias já foram objeto de perseguição e tentativas de proibição, que, no caso do álcool, provocaram os problemas ligados à chamada “lei seca” que vigorou de 1920 a 1933 nos Estados Unidos.

O circuito que mais notável nas últimas décadas, entretanto, foi das substâncias da indústria psicofarmacêutica, chamados de remédios psicolépticos, psicoanalépticos e psicodislépticos. Desenvolvido especialmente a partir do segundo pós-guerra, é o mais rentável e o que mais tem crescido: é o de circulação mais volumosa, com maior número de consumidores e com o maior faturamento. Seus grandes fundamentos são o sistema de patentes, o monopólio médico da prescrição, um mercado publicitário dirigido para quem toma a droga mas também corruptor de quem a ministra (laboratórios que convencem médicos a receitarem os seus produtos). Sua outra contrapartida indispensável é a proibição concomitante do uso de diversas plantas psicoativas de uso tradicional que também podem ter funções psicoterapêuticas em medicinas tradicionais tais como a canábis, a papoula e a coca, que passaram a ser substituídas por pílulas farmacêuticas.

O que esse mercado em geral das substâncias psicoativas controla é nada mais nada menos que os mais eficientes instrumentos na luta contra o sofrimento e a na busca da alegria. As drogas, não importa se fluoxetina, álcool ou maconha, o que oferecem, e essa a razão pela qual são usadas, é a amenização da dor e a intensificação do prazer. E essa promessa elas de fato a cumprem, cada uma nas suas limitações e com o seu preço, mas elas não enganam a humanidade há tantos milênios e sim lhe trazem aquilo que nelas é buscado. Sem o ópio, por exemplo, a humanidade teria tido um sofrimento indescritivelmente superior.

Hoje, numa era industrial de aumento de tensões e de sofrimentos psíquicos diversos e complexos, deixando de lado as plantas tradicionais, contamos com centenas de moléculas puras para os mais diversos efeitos. A indústria farmacêutica busca ampliar o seu monopólio, substituindo usos de plantas tradicionais por fármacos patenteados, e colonizando cada vez mais a vida cotidiana, oferecendo novos “remédios” para as mais diferentes esferas comportamentais.

O maior número de usuários e dependentes de drogas na sociedade contemporânea são os consumidores de produtos da indústria farmacêutica. As drogas de farmácia também tem usos variados que podem ser benéficos ou nocivos, equilibrados ou abusivos. Uma parte dos consumidores faz uso abusivo. Uma média de um terço das intoxicações que ocorrem no país, por exemplo, são devidas a drogas da indústria farmacêutica, numa proporção muito maior do que as que ocorrem por causa do uso abusivo de substâncias ilícitas.

Artigo recente do jornalista Ruy Castro, na FSP (28/12/09)[4], lembrava, a propósito da morte da atriz Brittany Murphy, que muitos outros artistas, citando Carmem Miranda, Marilyn Monroe, Judy Garland, Elvis Presley e Michael Jakson, assim como ela, sofreram do uso excessivo de remédios legais que os levaram a morte, ou seja, morreram do uso de seus “remédios”.

Só no Brasil, há mais de 32 mil rótulos de medicamentos com variações de 12 mil substâncias (a OMS considera como realmente necessários uma lista de 300 itens), vendidos em mais de 54 mil farmácias (uma para cada três mil habitantes, o dobro da recomendação da OMS)[5].

Uma parte cada vez maior destas drogas são substâncias psicoativas, entre as principais: os antidepressivos, as anfetaminas, os benzodiazepínicos, e muitos outros mais. Nos anos de 2008 e 2009 o segundo medicamento mais vendido no Brasil vem sendo o benzodiazepínico Rivotril (cf. IMS Health, o primeiro é uma pílula anticoncepcional).

A dependência de remédios, uma forma de consumo compulsivo chamada as vezes popularmente de “hipocondria” é uma característica marcante da relação das pessoas com as drogas. Por serem, por vezes, receitadas por um médico são chamadas de “remédios”, mas o seu resultado é exatamente o mesmo de qualquer outro consumo compulsivo, podendo levar à efeitos daninhos para o organismo e à dependência e tolerância.

Queixas de mal-estares vagos em pronto-atendimentos são medicadas comumente com benzodiazepínicos, especialmente se as pacientes forem mulheres e donas-de-casa. O uso de moderadores de apetite não só para diminuição de peso mas como estimulante também se propaga ao ponto do Brasil ser um dos maiores mercados mundiais.

O uso de certos produtos farmacêuticos como drogas para outras finalidades, que não as indicadas, devido a seus efeitos colaterais também é comum: xaropes para tosse com codeína, remédios para dor de cabeça como Optalidon, para mal de Parkinson como Artane ou mesmo de analgésicos para combater dores mais psíquicas do que propriamente orgânicas.

O uso de doses inapropriadas de drogas comuns pode ser extremamente perigoso, é o caso de overdoses de aspirina que um estudo recente de Karen M. Starko apontou poder ser responsável por parte dos mortos na época da epidemia da gripe espanhola em 1918[6].

Durante a epidemia da gripe suína, chegou a se proibir a veiculação de publicidade de antifebris para não haver indução à medicação excessiva, desnecessária e muitas vezes perigosa.

Muito além do simples e indefinível efeito farmacológico objetivo todo remédio também é uma representação que se autoreforça por meio do efeito placebo inerente à todo medicamento. O que se vende com o mercado de drogas são modos de produção da subjetividade. Assim o fazem os usuários que as inserem em contextos sociais, cerimoniais e até rituais. Também assim o consideram as agências publicitárias que, ao promoverem álcool, tabaco ou remédios vendem estados de espírito, vendem modelos de felicidade da alma, humor em pílulas. Mais do que venderem, exacerbam, pois, conforme a hipnótica cantilena publicitária, só há requinte com um cigarro na mão, só há festa com cerveja e decotes generosos, só há felicidade plena com o sono, a ansiedade e a tristeza geridos por meio de doses de pílulas ou elixires.

Por isso os orçamentos administrativos e de marketing das indústrias farmacêuticas são muito maiores que os de pesquisa, que sempre param após o lançamento do fármaco no mercado não havendo acompanhamento exaustivo de seus efeitos previstos e colaterais nas populações usuárias de longo prazo.

De toda a indústria farmacêutica, a das drogas psicoativas é não só uma das mais lucrativas como a que teve um papel mais significativo na sua influência cultural.

O que pouco se percebe é que paralelamente à emergência de um proibicionismo de certas drogas ocorreu uma exacerbação na compulsão ao consumo de fármacos industriais (assim como também o de alimentos e outras mercadorias).

Os anti-psicóticos, soníferos, tranquilizantes, ansiolíticos e anti-depressivos despontaram desde os anos 1950 como carros-chefes não só da indústria, como de estilos de vida, em que o uso de pílulas tornou-se um hábito considerado normal, não só como suplementos vitamínicos ou fortificantes mas como reguladores mentais, moduladores psíquicos, capazes de alterar o humor, o sono, a tensão e a motivação.

Junto a cada um dos novos fármacos se construiu uma entidade nosológica nova para a qual cada medicamento seria o específico terapêutico. O erro central dessa visão psicofarmacêutica era considerar o sintoma (por exemplo, a depressão) como a doença. Ao invés de oferecer uma interpretação do seu sofrimento e de suas causas, uma “narrativa” que lhe desse sentido, como diz David Healy, passou a se oferecer (vender, melhor dizendo) uma pílula miraculosa. Este médico e professor de Medicina Psicológica fez uma análise da emergência da depressão como um quadro clínico e nosológico desde os anos de 1950 e da concomitante ascensão dos medicamentos antidepressivos como mercadorias de alta lucratividade numa das indústrias que mais floresceu desde o segundo pós-guerra, em The Antidepressant Era (1997), que é um livro importante para a compreensão dos múltiplos significados dessa era de novas drogas e novas políticas sobre drogas que abrangem não apenas o universo médico strito sensu, como também a vida cotidiana medicalizada e farmacologizada cada vez mais.

A própria técnica publicitária nasce, desde o final do século XIX, fortemente ligada à venda de medicamentos, tônicos, fortificantes, etc., vendendo estilos de vida mais do que os produtos em si. Até hoje, o setor da venda de drogas (seja álcool, tabaco ou remédios) representa uma das maiores fatias do mercado publicitário internacional e brasileiro.

Além dos barbitúricos, para sedação, a grande inovação desde os anos 50 foram remédios contra a depressão, tais como imipramina, lançada em 1957 sob o nome de Tofranil, depois a amitriptilina, lançada em 1961. Nem sequer o escândalo da talidomida, lançada como sedativo e tranquilizante, em 1957, e responsável por mais de seis mil casos de má formação fetal em grávidas que o usaram, desestimulou o crescente mercado do consolo e do apaziguamento psíquico.

Nos anos 80 e 90 a fluoxetina, sob o nome de Prozac, se tornou um dos medicamento psicoativos a vender muitos bilhões de dólares e foi o emblema de uma época onde a indústria farmacêutica criava uma nova cultura de dependência de drogas ao mesmo tempo que se desencadeava uma guerra sem quartel contra algumas drogas ilícitas, muitas delas plantas de usos tradicionais milenares.

Recentemente, a própria suposta eficácia dos anti-depressivos foi questionada pois nem todos os estudos realizados são publicados e, mesmo entre os publicados, a diferença entre o efeito dos placebos comparado ao efeito dos fármacos é muito pequena nos casos majoritários de depressões leves[7].

O uso, entretanto, de psicoativos como anti-depressivos, entre outros, inclusive infantil, aumentou vertiginosamente para um conjunto infinito de condutas a serem supostamente corrigidas pelo medicamento, desde enurese noturna até hiperatividade, de insônia a ansiedade, de “pânico social” à “síndrome do pânico”, dentre os tantos novos rótulos que surgem para configurar supostos quadros nosográficos. A OMS profetiza que em algumas décadas a depressão será a doença mais incapacitante do mundo, o que por si já é revelador da situação de insustentabilidade que vive o sistema econômico capitalista. Recentemente surgiu até mesmo uma versão veterinária do Prozac para cães.

O uso de drogas na sociedade cresce sobretudo por meio dos remédios legais, cuja publicidade incita a um consumo fetichizado e hipocondríaco, na busca de panacéias químicas para mal-estares sociais e psicológicos.

Uma política realmente democrática em relação às drogas psicoativas seria aquela que legalizasse todas, submetendo-as a um mesmo regime, não importa se remédios sintéticos ou derivados de plantas tradicionais, mas aumentasse a severidade dos controles, distintos para cada substância. Toda publicidade em veículos de mídia destinados ao público em geral deveria ser proibida e a fiscalização e punição para consumos irresponsáveis, como ao volante, por exemplo, de álcool ou outras drogas, deveria ser rígida.

Outra medida necessária seria a estatização da grande produção e do grande comércio, de forma a evitar que corporações gananciosas dominassem o mercado e para garantir que todos os lucros desse comércio fossem direcionados para fins sociais, inclusive para programas de desabituação para os consumidores problemáticos que necessitassem. Nesse sentido, além de uma política em favor dos genéricos e da quebra das patentes, o estado deveria garantir a fabricação de todos os fármacos indispensáveis oferecendo-os ao menor preço possível e aplicando os lucros obtidos no interesse social. Um amplo programa de pesquisa com financiamento e destinação pública, poderia assim estimular também o desenvolvimento de novos fármacos.

Isso deveria se aplicar tanto aos remédios fisiológicos como aos psicoativos da indústria farmacêutica, como também ao álcool, ao tabaco e às substâncias hoje consideradas ilícitas. A legalização da maconha, da cocaína e de todas as drogas, sob controle estatal do grande atacado e produção afastaria o atrativo para o crime organizado, permitiria maior monitoramento dos usos problemáticos e encaminhamento dos necessitados a tratamentos que poderiam ser financiados e oferecidos no serviço público de saúde pela própria renda gerada pela venda legal.

Porque não criar-se um Fundo Social resultado não apenas de impostos, mas do controle econômico estatal da grande produção e circulação de drogas, remédios, bebidas e cigarros? O conjunto do faturamento obtido poderia servir para custear o orçamento de Saúde Pública.

É claro que há um campo imenso de iniciativas individuais, familiares, comunitárias e microempresarias que poderiam ser não só mantidas, mas estimuladas no campo do cultivo e da produção dessas substâncias. Tanto bebidas como vinhos, cervejas ou aguardentes, como cultivadores de fumos de qualidade, ou de “canabicultores”, deveriam ser estimulados com apoio creditício e fiscal.

O conjunto das drogas legalizadas acabaria com os efeitos nefastos do chamado “narcotráfico”, encerraria a “guerra contra as drogas”, libertaria os prisioneiros dessa guerra: em torno de metade da população carcerária tanto nos EUA como no Brasil. O crescimento vertiginoso do encarceramento por drogas que vem servindo como a principal fonte de lucros para o sistema penal privado norte-americano e como mecanismo de repressão social e racial contra os pobres e os afrodescendentes seria detido. Reduziriam-se os danos sociais dos usos problemáticos de drogas e estes poderiam ser amenizados. Se potencializariam os usos positivos, tanto terapêuticos como recreacionais.

Os fármacos em geral, e os psicofármacos em particular, oferecem um florescente futuro, com inúmeras novas moléculas podendo ser inventadas, além dos usos diversos que já se podem fazer das substâncias existentes, o que amplia um repertório capaz de ser usado para fins terapêuticos, lúdicos, recreacionias, devocionais, de reflexão filosófica, de auto-conhecimento e de regulação humoral (os timolépticos), mas também podendo ser usado de formas autodestrutivas, excessivas, abusivas e descontroladas. Uma cultura da autonomia responsável supõe o uso consciente do potencial de todos os fármacos, que, como os alimentos, são os produtos da cultura material que ingerimos para finalidades úteis ao nosso corpo.

Usar as “tecnologias de si” de forma construtiva significa por um lado acabar com a “guerra contra as drogas” e o proibicionismo demonizante de certas substâncias, mas, por outro, significa recusar os efeitos alienantes de uma cultura publicitária que faz da saúde um negócio e da necessidade das drogas um mercado oligopólico global.

(*): Henrique Carneiro é doutor em História pela USP e membro do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre Psicoativos (NEIP). Estuda a questão das drogas e atua contra a proibição desde seus tempos de militância estudantil, nos anos 1980. Já publicou, entre outras obras, os livros "Álcool e drogas na história do Brasil" e "Pequena Enciclopédia da história das drogas e bebidas".

Bibliografia:

BALICK, Michael J.; e COX, Paul Alan, Plants, People, and Culture. The Science of Ethnobotany, N. York, Scientifican American Library, 1997.

HEALY, David, The Antidepressant Era, 1997, Harvard University Press, 1997.

IMS HEALTH www.imhshealth.com

MOYNIHAM, Ray; e CASSELS, Alan, “Comerciantes de enfermedades” in Le Monde Diplomatique Ed. Chilena, Santiago, 2006.

RUDGLEY, Richard, Essential substances. A cultural history of intoxicants in society, N. York, Kondansha, 1993.

--------------------------------------------------------------------------------
[1] Expressão adotada por Richard Rudgley para denominar as drogas psicoativas em Essential substances. A cultural history of intoxicants in society (N. York, Kondansha, 1993).

[2] Cf. IMS Health, 2009.

[3] Michael J. Balick e Paul Alan Cox, Plants, People, and Culture. The Science of Ethnobotany, N. York, Scientifican American Library, 1997,p.25.

[4] Ruy Castro, “Vale das bolinhas”, FSP, 28/12/2009, p.2.

[5] Jomar Morais, “Viciados em remédios”, Superinteressante, nº 185, fevereiro de 2003, p.44.

[6] “Aspirina pode ter tido um papel na epidemia de gripe de 1918”, Nicholas Bakalar (NYT), in FSP, 13/10/2009.

[7] “Effectiveness of antidepressants: an evidence myth constructed from a thousand randomized trials?”, John P. A. Ioannides, in Philosophy, Ethics, and Humanities in Medicine, 3:14, 27 de maio de 2008.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Microsoft Office 2008 Mac OS X



Microsoft Office 2008 Mac OS X

Descrição:

A capacidade das aplicações do Office 2008, juntamente com o Expression® Media, a ferramenta de gestão para catalogar, organizar e apresentar todos os seus conteúdos digitais. Simplifique o seu trabalho e visualize o seu sucesso.

Office. Remodelado.

Uma interface de utilizador integrada, centenas de novos temas e modelos e uma melhor compatibilidade com os seus colegas que utilizam Windows — com o Microsoft® Office 2008 para Mac, simplificará o seu trabalho e alcançará mais com menos esforço..

O que está incluído no Office para Mac 2008.

- Word 2008
- Excel® 2008
- PowerPoint® 2008
- Entourage® 2008
- Messenger para Mac
- Open XML File Formats (Office 2007 Compatible)
- Universal for Intel- and PowerPC- based Macs
- Microsoft Exchange Server Support
- Automator Actions for Workflows in Microsoft Office
- Microsoft® Expression® Media
- Upgrade Version Available

Tamanho: 552 Mb

UFC 112 Abu Dhabi Download


Dois titulos, uma noite. O maior esporte indoor do mundo vira outdoor no dia 10 de abril, quando o UFC chega a Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, pela primeira vez.

Alguns dos maiores atletas das Artes Marciais Mistas estarão presentes no histórico UFC 112 a céu aberto, que será realizado no Concert Arena, Yas Hotel em Yas Island.

Dois títulos mundiais serão decididos no UFC 112. O campeão do peso leve BJ ´The Prodigy´ Penn coloca o seu cinturão novamente em disputa contra Frank ´The Answer´ Edgar, desafiante nº 1. No médio, o rei Anderson “The Spider” Silva defende sua coroa contra o compatriota Demian Maia.

A primeira vez do UFC na região também marca uma intrigante batalha entre duas lendas: o ícone Matt Hughes contra o pioneiro do MMA e especialista em jiu-jitsu, o brasileiro Renzo Gracie, no meio-médio.

CD 1
CD 2

CADÊ O IMPÉRIO DO AMOR - FINAL CARIOCA BOTAFOGO 2 X 1 FLAMENGO - 2010 - ...

Como perder um carro vergonhosamente

domingo, 18 de abril de 2010

O Caçador de Recompensas (The Bounty Hunter)

700 Mb
Avi / legendas Srt Port
Comédia
2010
Megaupload



Sinopse:

Milo Boyd (Gerard Butler) é um ex-policial que se tornou caçador de recompensas. Sua missão era prender a repórter Nicole Hurly (Jennifer Aniston) e tinha tudo para ser uma tarefa das mais fáceis. Afinal, ela é sua ex-esposa. Mas o problema é que tinha mais gente interessada nela por conta de uma reportagem sobre um possível assassinato e, como resultado, os dois entraram na mira de criminosos. Assim, se antes não conseguiram ficar unidos no casamento, agora precisam juntar forças para sobreviver a esta grande confusão




sábado, 17 de abril de 2010

B.o.B - Nothin on You Feat Bruno Mars - Live The Filmore NYC 4 11 2010


B.o.B Aka Bob Ray
Live at The Filmore NYC 4 11 2010
Hip Hop - Rap
10 Mb

1- Nothin' On You feat Bruno Mars Live


value

B.o.B – Airplanes (Ft. Hayley Williams - Paramore Singer)


B.O.B Feat Hayley Williams (Paramore)
Airplanes
Rap / Hip Hop
1 track / 320 kbps / 7.2 mb

Lyrics below: English

CHORUS
Can we pretend that airplanes in the night sky are like shooting stars
I could really use a wish right now, a wish right now, a wish right now
Can we pretend that airplanes in the night sky are like shooting stars
I could really use a wish right now, a wish right now, a wish right now

VERSE ONE
Lets pretend like its 98, like I’m eating lunch off of a Styrofoam trey
Trying to be the next rapper coming out the A
Hoping for a record deal, to re-know my pain
Now lets pretend like I’m on the stage
And when my beat drops everybody goes insane (Ok)
And everybody know my name (B.o.B)
And everywhere I go people wanna hear me sang
Oh yea and I just dropped my new album
On the first week I did 500thousand
Gold in the spring and diamond in the fall
And then a world tour just to top it all off
And lets pretend like they call me the greatest
Selling out arenas with big ass stages
And everybody loved me and no one ever hated
Lets try to use imagination

CHORUS
Can we pretend that airplanes in the night sky are like shooting stars
I could really use a wish right now, a wish right now, a wish right now
Can we pretend that airplanes in the night sky are like shooting stars
I could really use a wish right now, a wish right now, a wish right now

VERSE TWO

Ok, let’s pretend like this never happened
Like I never had dreams of being a rapper
Like I didn’t write raps in all of my classes
Like I never use to runaway into the blackness
Now lets pretend like it was all-good
Like I didn’t live starring in a notebook
Like I did the things I probably knew I should
But I didn’t have maybes that’s why they call it hood
Now lets pretend like I aint got a name
Before they ever called me B.o.B or a.k.a Bobby Ray
I’m talking back before the mixtapes
Before the videos and the deals and the fame
Before they once compared me to Andre
Before I ever got my space
Before they ever noticed my face
So let’s just pretend and make wishes out of airplanes

CHORUS (X2)
Can we pretend that airplanes in the night sky are like shooting stars
I could really use a wish right now, a wish right now, a wish right now
Can we pretend that airplanes in the night sky are like shooting stars
I could really use a wish right now, a wish right now, a wish right now

Lyrics: Portuguese

Letra da música abaixo:

REFRÃO
Podemos fingir que os aviões no céu à noite são como estrelas cadentes
Eu poderia realmente usar um desejo agora, um desejo, agora, um desejo agora
Podemos fingir que os aviões no céu à noite são como estrelas cadentes
Eu poderia realmente usar um desejo agora, um desejo, agora, um desejo agora

Verso Um
Vamos fingir que tal como os seus 98, como eu estou almoçando fora de um isopor trey
Tentando ser o próximo rapper saindo do A
Esperando por uma gravadora, a re-conhecer a minha dor
Agora vamos fingir que eu estou no palco
E quando o meu cai todo mundo vai bater insano (Ok)
E todo mundo sabe o meu nome (B.o.B)
E todo lugar que vou as pessoas querem me ouvir cantar
Ah sim e eu deixei meu novo álbum
Na primeira semana eu fiz 500thousand
Ouro na primavera e no outono de diamante
E depois uma turnê mundial apenas para cima com tudo desligado
E vamos fingir que eles me chamam de o maior
Vender para fora arenas com estágios bunda grande
E todo mundo me amava e ninguém jamais odiou
Vamos tentar usar a imaginação

REFRÃO
Podemos fingir que os aviões no céu à noite são como estrelas cadentes
Eu poderia realmente usar um desejo agora, um desejo, agora, um desejo agora
Podemos fingir que os aviões no céu à noite são como estrelas cadentes
Eu poderia realmente usar um desejo agora, um desejo, agora, um desejo agora

VERSÍCULO DOIS

Ok, vamos fingir que isso nunca aconteceu
Como eu nunca tive sonhos de ser um rapper
Como se eu não escrever raps em todas as minhas classes
Como eu nunca uso a fuga para a escuridão
Agora vamos fingir que era tudo de bom
Como eu não vivo estrelando em um notebook
Como eu fiz as coisas que eu provavelmente sabia que eu deveria
Mas eu não tenho "talvez seja por isso que eles chamam de capa
Agora vamos fingir que eu não tenho um nome
Antes que eles nunca me chamaram Bob ou aka Bobby Ray
Eu estou falando de volta antes do mixtapes
Antes de os vídeos e os negócios ea fama
Antes que uma vez me comparou com Andre
Antes eu já tenho o meu espaço
Antes eles já notou a minha cara
Então vamos fingir e fazer pedidos de aviões

Refrão (X2)
Podemos fingir que os aviões no céu à noite são como estrelas cadentes
Eu poderia realmente usar um desejo agora, um desejo, agora, um desejo agora
Podemos fingir que os aviões no céu à noite são como estrelas cadentes
Eu poderia realmente usar um desejo agora, um desejo, agora, um desejo agora

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Lesões causadas por Surfe

Por Julliane Silveira - Folha OnLine.


Não há números no Brasil, mas especialistas têm observado um aumento nos casos de lesões causadas pelo surfe. Mesmo sem estudo formal, as altas taxas de problemas podem ser explicadas pela popularização da prática na costa brasileira e pelas mudanças no perfil dos surfistas --que passaram a praticar o esporte por muito mais tempo ao longo da vida.

"O perfil das lesões mudou, com as transformações na estrutura da prancha e da idade dos praticantes. Hoje, temos muito mais surfistas e praticantes mais velhos, na faixa dos 60 anos", diz Joel Steinman, médico da Confederação Brasileira de Surfe.

Somente no litoral de São Paulo, estima-se que haja 30 mil praticantes, de acordo com a Federação Paulista de Surfe. Em toda a costa brasileira, são cerca de 800 mil, entre amadores e profissionais.

Com essa percepção, a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia faz um alerta para o alto risco de lesões em músculos e articulações por causa do esporte.

Além dos traumas causados por quedas e batidas na prancha, há também prejuízos causados pelo esforço repetitivo de algumas articulações durante a remada e na hora de pegar onda, que podem sofrer sobrecarga e desgaste. As áreas mais atingidas são pescoço, coluna, quadril e joelhos.

"Observamos uma maior procura desses atletas para tratamento de lesões no quadril. Parece que são mais comuns do que podemos imaginar", diz o ortopedista Marcos Contreras, que criou em Florianópolis (SC) um grupo de estudos para avaliar esses problemas.

Segundo Contreras, essas lesões são pouco diagnosticadas -geralmente são confundidas com distensões na virilha e ignoradas pelos surfistas.

"Provocam muita dor, mas, como o incômodo diminui quando o atleta reduz a frequência dos exercícios, ele acaba não procurando o médico", acrescenta Contreras.

Os movimentos constantes de rotação da bacia e dos joelhos com um pé fixo na prancha, durante as manobras sobre as ondas, são a principal causa desse tipo de problema.

A maioria dos lesionados por repetição de movimentos tem músculos encurtados e apresenta pouca mobilidade na região do tórax, o que também leva a uma maior incidência de lesões no ombro e tensões na região lombar.

"O surfe pode ser agressivo para algumas regiões do corpo, dependendo da flexibilidade do esportista", afirma o professor de educação física Rodrigo Rojas Sanmiguel, proprietário da Articular Centro de Treinamento, academia que desenvolve programas de prevenção de lesões para surfistas.

A posição do tronco durante a remada (constantemente encurvada) força a musculatura do pescoço e das costas e a coluna vertebral. Com o passar dos anos, pode causar dores crônicas e hérnias de disco.

"Durante uma hora de surfe, o esportista passa cerca de 40 minutos sobre a prancha, remando", diz Steinman, da Confederação Brasileira de Surfe.

Treinamento

Para prevenir esses danos, praticantes do surfe devem realizar exercícios orientados, para aumentar a resistência muscular e alongar a musculatura.

"Não foge da orientação de outros esportes: alongamento e aquecimento antes de entrar na água e fortalecimento da massa muscular para suportar as exigências do esporte", diz o ortopedista Ricardo Cury, professor do Grupo de Cirurgia do Joelho e Trauma Esportivo da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo.

Atividades como musculação cumprem a função.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Booka Shade More! 2010

Booka Shade
Album: More!
103 MB
Tech House

Tracklist
:

01 Havanna Sex Dwarf
02 Donut (Interpretation)
03 Regenerate
04 The Door
05 Teenage Spaceman
06 Divine [ft. Yello]
07 Scaramanga
08 L.A. tely
09 Bad Love [ft. Chelonis R. Jones]
10 No Difference
11 This Is Not Time


LinkWithin

Related Posts with Thumbnails